fbpx

Furos, mentiras e segredos revelados

R$ 45,00

Desconto e frete grátis até 30/05

Furos, mentiras e segredos revelados:
uma década de reportagens da Agência Pública
Organização: Marina Amaral & Natalia Viana
Edição: Tadeu Breda
Assistência de edição: Fabiana Medina
Preparação: Carolina Hidalgo Castelani
Revisão: Laura Massunari
Capa: Catarina Bessel
Diagramação: Victor Prado
Projeto gráfico & direção de arte: Bianca Oliveira
Lançamento: maio de 2022
Páginas: 174
Dimensões: 13,5 x 21 cm
ISBN: 9786587235882

SKU: 978-65-87235-88-2 Categorias: , , , Tags: ,

Descrição

Organizado pelas fundadoras da Pública, este livro reúne dez artigos — além de introdução, prefácio e posfácio — sobre a atuação e a relevância da primeira e mais inovadora agência de jornalismo investigativo do país desde sua fundação, em 2011, na esteira das revelações do WikiLeaks. De lá pra cá, foram mais de cinquenta prêmios nacionais e internacionais, e centenas de reportagens essenciais para a compreensão da realidade brasileira. Furos, mentiras e segredos revelados é leitura fundamental para quem busca respostas aos dilemas vividos pelo jornalismo em tempos de Facebook, WhatsApp e fake news.

***

A Pública entendeu que a prática jornalística não é a de reportar, ser mero instrumento mediador, mas colocou-se como sujeita de seu tempo: penso, por exemplo, quando a agência se imbuiu do compromisso de, a partir de 2018, priorizar investigações relacionadas com o governo Jair Bolsonaro, a primeira experiência brasileira com uma gestão de extrema direita. A expressão, aliás, não foi um problema para a Pública no momento de definir o atual presidente — ao contrário de boa parte da imprensa brasileira, que preferiu tratar com naturalidade as inúmeras violências presentes no discurso racista, classista e misógino do chefe do Executivo.

— Fabiana Moraes, no prefácio

***

A Agência Pública concentra uma das maiores esperanças práticas para o jornalismo brasileiro. Os que gostam de usar o substantivo “inovação” podem dizer sem hesitar que a Pública encarna a mais significativa inovação da imprensa brasileira na última década. Inovação mesmo. Inovação humanista, muito mais do que tecnológica ou financista. […] É assim que ela nos brinda com uma esperança prática, em cada uma das vírgulas que publica — que torna públicas —, como a nos alertar de que o futuro da imprensa passa por saber-se função pública, não apenas por prestar um serviço de interesse coletivo, mas porque o ofício jornalístico é antes de natureza pública do que de natureza privada ou profissão liberal. Nesse sentido, o melhor do jornalismo não apenas não se acomoda por inteiro nos limites da propriedade privada, como, em muitas circunstâncias, é incompatível com eles. E, por favor, não há nenhum ranço nostálgico de utopias vencidas, mas apenas uma visão de futuro, que considera que o jornalismo pode ter outros modelos institucionais que não se confinem dentro dos tão falados “modelos de negócio”.

— Eugênio Bucci, na introdução

 

SOBRE AS ORGANIZADORAS

Marina Amaral é jornalista desde 1984 com passagens pelas redações da Folha de S. Paulo, revista Globo Rural, TV Record e TV Cultura. A partir de 1997, passou a atuar no jornalismo independente, participando da fundação da revista Caros Amigos, da qual foi repórter especial e editora executiva até 2007. Nesse período conquistou um Prêmio Vladimir Herzog (1998). Entre 2008 e 2009, coordenou uma equipe de treze jornalistas em levantamento inédito sobre Direitos Humanos no Brasil, a pedido da Secretaria Nacional de Direitos Humanos, e atuou como repórter no livro Jornal Movimento, uma reportagem (Manifesto, 2010). Desde 2011 é diretora e co-fundadora da Agência Pública.

Natalia Viana é jornalista, diretora e co-fundadora da Agência Pública. É autora ou co-autora de cinco livros: Plantados no chão (Conrad, 2007), Jornal Movimento, uma reportagem (Manifesto, 2010) e Habeas corpus: que se apresente o corpo (Secretaria de Direitos Humanos, 2010), O bispo e seus tubarões (Agência Pública, 2013) e Dano colateral (Objetiva, 2021). Como repórter e editora, venceu diversos prêmios de jornalismo, entre eles o Prêmio Vladimir Herzog de Direitos Humanos (2005/2016/2020), o prêmio Comunique-se (2016/2017), o Prêmio Trofeu Mulher Imprensa (2011/2013), o Prêmio Gabriel García Márquez (2016) e o Prêmio Ortega y Gasset (2020).